ECOS DA GRAVIA


 


O Ecos da Gravia, propriedade do Centro Social da Freguesia de Valadares, nasceu da vontade e perseverança de um grupo de valadarenses, constituído por José Manuel da Silva Tavares, Maria Noémia dos Santos Gonçalves, Maria Otília da Silva Loureiro, Maria da Piedade Loureiro e Alexandre Loureiro Vasconcelos, que quiseram dar "voz" à sua terra e se propuseram a uma aventura jornalística.*

As dificuldades inerentes a projectos deste âmbito e as limitações com que se depararam não fizeram baixar os braços a este grupo de audazes. O Ecos da Gravia, assim designado, porque a freguesia de Valadares está plantada na serra da Gravia, nasceu em Junho de 1990 e, de então para cá, tem alargado os seus horizontes. Saiu em formato de jornal a primeira edição desta publicação, com periodicidade bimensal. Algum tempo depois os fundadores e colaboradores passaram a publicá-lo mensalmente.

Mas com o decorrer dos anos o projecto tornou-se sólido e credível. Crescimento que levou a que o grupo que integrava o projecto fosse ainda mais audacioso. Transformar o jornal em formato revista e abranger os concelhos da região de Lafões foi o passo seguinte desta equipa.**

Hoje, Ecos da Gravia tem periodicidade mensal e é constituída por 40 páginas a cores. Órgão de comunicação generalista, foca assuntos pertinentes e de interesse variado. Tem como fundamentos o rigor, a isenção e as boas práticas do jornalismo.


Passados 19 anos desde o início da aventura, o Ecos da Gravia conta, neste momento com mais de 1500 assinantes espalhados por vários continentes. Pessoas que esperam, a cada mês, notícias da sua terra natal e da sua região. Este projecto transformou-se num elo de ligação, no cordão umbilical entre cidadãos que saíram há décadas e a sua terra mãe. O Ecos chega a todo o Continente, Açores e Madeira. Na Europa está na Espanha, França Alemanha, Luxemburgo, Suíça, Holanda, Bélgica, Itália e Inglaterra. O Ecos chega também aos EUA, Canadá, Brasil, Venezuela, Angola e Austrália. No seu futuro espera-se ainda muito. Para tal basta o querer e a tenacidade de quem sonha.


* Primeiro Editorial publicado, onde a equipa faz a apresentação do projecto que acaba de nascer e os seus objectivos.

"Finalmente toma corpo este projecto, já antigo, cuja necessidade era sentida de há muito: - elo de ligação entre o Centro Social da Freguesia de Valadares e todos os seus sócios, apoiantes e simpatizantes.

Este é pois, o número zero e experimental de um jornal informativo a que pretendemos dar uma periodicidade bimestral.

É nosso objectivo "fazer a ponte" entre o Centro Social da Freguesia de Valadares e todos aqueles que com ele se identificam, onde quer que se encontrem. Além de darmos conta das nossas realizações (como colectividade), daremos, também, notícias de interesse local e regional. Pretendemos também receber e publicar informações, apreciações, críticas e sugestões vindas dos nossos sócios e amigos.

Esta primeira publicação é dirigida sobretudo aos associados para os informar, em primeira-mão, desta iniciativa e funciona também como auscultação de opiniões e recolha de dados necessários ao nosso ficheiro."

** Editorial publicado em Outubro de 2003, quando saiu, pela primeira vez, Ecos da Gravia no formato de revista.

" (...) Paulatinamente, muitos passos se deram até aos dias de hoje e, de forma sustentada, cumprindo o nosso estatuto editorial, e tendo por base o rigor e a qualidade, ganhámos um espaço próprio e somos já uma referência em toda a região.


    Hoje abraçamos um novo desafio. Por força da aceitação que temos tido por parte dos nossos leitores, e tendo em conta a capacidade interventiva demonstrada junto dos mais variados sectores da sociedade local, decidimos passar ao formato de revista, com periodicidade mensal. E, assim sendo, queremos privilegiar ainda mais as nossas gentes falando-lhes da sua realidade, promovendo-as como comunidade e despertando-as para os seus problemas, forças, fraquezas e oportunidades. Para além de informar, "Ecos da Gravia" oferecer-se-á à comunidade como o despertar para um querer comum de todos aqueles que de uma forma, ou de outra, se identificam com a nossa terra, a nossa região.


Neste novo formato procuramos partilhar com os demais uma nova atitude... uma nova forma de estarmos nas coisas. Através de uma energia positiva, em equipa, queremos fazer diferente... para melhor, claro.

Caberá aos nossos leitores avaliarem esta nossa "aventura". Estaremos sempre abertos a sugestões e, se for caso disso, repensaremos a nossa caminhada.

Sabemos das dificuldades que nos esperam. Temos consciência dos obstáculos que teremos de ultrapassar. Todavia, ao longo do nosso percurso, nada foi mais difícil do que começarmos. E, hoje, tantos anos depois, cada passo que se dê em direcção ao futuro mais não será que desafiarmos as nossas próprias capacidades e recursos em favor de uma região e de suas gentes.

Estamos certos de que vamos ganhar mais esta aposta. Para tanto bastará estarmos empenhados em fazer mais e melhor; bastará olharmos de perto o nosso "pequeno mundo" de forma séria e plural; bastará estarmos rodeados de amigos, muitos amigos, que sois vós.

A partir de hoje, "Ecos da Gravia" não será diferente. Será melhor!..."

 

ASSOCIATIVISMO